Morrer

escrito a 30 de Março de 2011, para o filho de uma amiga querida

No outro dia, o filho mais novo de uma amiga perguntava-lhe “Porque é que as pessoas têm medo de morrer?” e “Eu não sei porque é que tenho medo de morrer, mas tenho!”.

Há muitos anos atrás fiz uma constelação com a Ingala Robl em que nos deparávamos com a nossa própria morte, segundo ela, todos os terapeutas deviam olhar de frente para a morte pelo menos uma vez.Continue Reading

Relações: sorte ou ciência?

Um dos grandes desafios, a que assisto quase diariamente no meu círculo de amigos, é a dificuldade de criar e manter relações amorosas duradouras. Muitas pessoas vêem-se numa situação onde acabam por generalizar: os homens não querem compromissos, ou todas as mulheres boas já têm namorados, etc. E a pergunta que fica sempre é: será que as relações amorosas são uma questão de sorte ou uma ciência?Continue Reading

Cinco frangos ou a arte de celebrar o aniversário em Angola

Adaptado de um texto escrito em Luanda, a 5 de Abril de 2010

Continuo a viver surpreendido com as diferenças culturais entre Portugal e Angola. Depois deste tempo aqui em Angola, que agora já somam cerca de quatro meses, continuo a sentir que não pertenço aqui. Na realidade, reconheço em mim parte da responsabilidade de não me entregar a este povo e a este país, mas ainda não encontrei uma forma diferente de estar.

O que vos relato a seguir é verídico. Aliás como tudo o que escrevo. Espero que vos divirta e que vos transmita alguma mensagem interessante. Farto-me de aprender com os meus próprios desafios e erros.

Há alguns meses, quando descobri que vinha para cá na altura do aniversário da Cecília e do meu, fiquei triste. Não se podia fazer nada, e acabei por aceitar a condição de que, pela primeira vez na vida, ao fim de 35 anos, estaria fisicamente longe dos que amo e estimo no meu aniversário.Continue Reading

Ser infeliz é irreversível

Na viagem que representa a nossa vida, um dos fenómenos mais surpreendentes é a dificuldade que as pessoas têm em ser felizes. Vejo regularmente pessoas que vivem tristes, infelizes e até miseráveis e que, ainda mais assustador, aceitam essa condição como uma característica essencial da sua vida, ou permanente. Como se dissessem: ser infeliz é irreversível.

Esta crónica começou com uma publicação de uma amigaContinue Reading

Uma relação dá muito trabalho

Estou convencido que as relações são a base e a razão pela qual vimos a este mundo. Não propriamente as relações, mas a capacidade de aprendermos sobre nós próprios e de crescermos com as relações. Existem muitas formas de olhar para as relações amorosas (amigos, colegas, familiares, companheiros), mas para mim as relações são, mais que tudo, um trabalho de grupo, uma construção.

Na universidade sempre tive um problema com os trabalhos de grupo.Continue Reading

Há sempre alguém que não gosta de nós

Agora parece comum as pessoas falarem de Bullying. Uma expressão que, antes de 1999, pouco se sabia sobre o que significava. Um pouco como a hiperatividade, que parece ser o diagnóstico da grande maioria das crianças, agora fala-se do bullying e aplica-se o mesmo a quase todas as situações da vida estudantil. Mas a verdade é que, de uma forma ou de outra, todosContinue Reading

Para ti, Carina

O amor toma muitas formas e feitios. Tem gostos, paladares, cores, temperaturas. É vivo e maravilhoso como a vida. O amor pode ser amizade, pode ser carinho, pode ser cumplicidade, pode ser canção, pode ser um sorriso, e pode ser uma mistura de tantas coisas. Este é o meu amor para ti, Carina, porque este é o teu dia.

Ainda me lembro de te ver entrar, no clube onde trabalhava, e ver o teu sorriso, meio tímido, meio cheio de esperança.Continue Reading

Mais Tempo para Quê?

escrito em Luanda, a 4 de Março de 2010

Hoje, na televisão, vi um documentário muito interessante. Falava do envelhecimento das mulheres e da forma como no futuro essa será cada vez uma questão mais importante. A pergunta, para mim, mais interessante era: Para que queremos nós viver sempre mais tempo se temos tanto medo de envelhecer?

As estatísticas são assustadoras; dois terços das pessoas com mais de 65 anos, nos Estados Unidos da América, são mulheres. E oitenta e sete por cento das cirurgias plásticas feitas são a mulheres.Continue Reading

Oh mãe, estão aqui uns bruxos!

Sempre gostei do invisível. Aquele invisível que inclui o que não se pode explicar ou entender com simplicidade. A fé, a energia, a astrologia, o amor… E talvez por isso sempre me tenha apaixonado pelas coincidências, aquelas que as pessoas mais bem dispostas e inspiradas chamam sintonia. Pela minha vida já experimentei muitas coisas, mas há uma qualquer magia naqueles momentos incríveis em que sentes que tudo se conjuga de forma extraordinária. Esta é uma dessas histórias.Continue Reading

Parar de fugir

Sempre me disseram: és tão carneiro! Algo que me parece um contra-senso (peço desculpa aos que não gostam ou não ligam à astrologia). Seria o mesmo que me dizer: és tão português, ou: és tão bem disposto. Contra factos não há argumentos. Mas uma das características mais tradicionais dos carneiros é um desejo ardente de ir, de partir, de descobrir, de deixar o conhecido pelo que está por descobrir. E sempre fui um fiel representante desse sentimento. Mas hoje, sinto que posso parar de fugir.Continue Reading

%d bloggers like this: