Morrer

escrito a 30 de Março de 2011, para o filho de uma amiga querida

No outro dia, o filho mais novo de uma amiga perguntava-lhe “Porque é que as pessoas têm medo de morrer?” e “Eu não sei porque é que tenho medo de morrer, mas tenho!”.

Há muitos anos atrás fiz uma constelação com a Ingala Robl em que nos deparávamos com a nossa própria morte, segundo ela, todos os terapeutas deviam olhar de frente para a morte pelo menos uma vez.

Agora que olho para esse momento, vejo esse medo sempre com duas possibilidades: a primeira, como tantas vezes digo é o medo da mudança, o outro o medo de não ter vivido.

Em jeito de brincadeira respondo à pergunta como se fosse o meu filho:

“Filho sabes, ter medo é a coisa mais natural e saudável do mundo. Quando temos medo isso significa que algo em nós nos está a proteger e a guardar. Quando um cão ladra muito e nos afastamos. Ou quando não gostamos de estar muito perto da janela num sítio alto. Isso acontece porque há uma boa parte de nós que nos quer bem, e que nos quer proteger. E isso é o medo.

Às vezes esse medo pode tomar conta de nós, o que assusta, mas o melhor é sermos nós a tomar conta dele e a agradecer ele existir e ajudar-nos tanto.

Mas a morte querido é apenas o outro lado da vida. Como uma moeda: de um lado temos a cara e do outro a coroa. Nesta terra temos esses dois lados: estarmos vivos ou estarmos mortos. E passamos todos pelos dois lados. Nascemos, crescemos e morremos.

É triste pensar que as pessoas que gostamos podem-se ir embora, mas também vai ser triste para as pessoas que gostam de nós quando nos formos embora. Faz parte da história de todos.

Por isso o que o pai faz, todos os dias, é celebrar a vida. É pensar e viver as coisas boas, tentar estar com as pessoas que gosta. E celebrar tudo: o chocolate, o cheiro das flores, o jogo, o irmão, os amigos, os avós.

E por isso ele sabe, e tu também podes aprender, que essa é a melhor forma de não ter medo de morrer. Saber que cada dia vivemos tudo com muita alegria.

E quando chegar o dia, de passarmos da vida para a morte, vamos poder sorrir com a certeza que o que vivemos e fizemos aqui valeu a pena e foi uma celebração e uma alegria.”

por Bernardo Ramirez

4 comentários em “Morrer”

  1. Concordo. Viver a vida saboreando tudo o que ela nos oferece é fundamental. A morte é um fim e um princípio. Porque somos humanos e criamos laços, a morte de alguém deixa um vazio e dor. É inevitável.
    Para quem tem Fé, a morte é um passaporte para outra dimensão.
    Há poucas semanas fiquei muito tocada com uma “apresentação” da morte feita por um jovem pai com uma filhota ao colo. Depois da missa de exéquias de um sacerdote, padrinho da pequenita, estávamos junto ao carro funerário , esperando que partisse. Perguntei: “Vieste para ela se despedir do padrinho?”.”Foi.” ” O teu padrinho agora vai no carro.” , disse eu, sem saber muito bem o que dizer à pequenita que ainda não tem 2 anos.” Vai “, disse o pai. ” O padrinho vai para o céu.”. E afastou-se. O carro partiria pouco depois no meio de uma salva de palmas.
    As crianças , em meu entender, têm que aprender serenamente a olhar para a morte. Sem cenas de sofrimento e sem traumas.

Comentário: