Filhos partidos ao meio

Eu, com 4 anos, usando uma tshirt da Mabor e um capacete de corrida

Um dos maiores flagelos não discutidos nos dias de hoje diz respeito ao resultado mais trágico e destrutivo das relações quebradas: filhos de pais separados.

Tenho legitimidade para falar do assunto. Eu, como tantos e tantos outros, faço parte do grupo das crianças (e adolescentes) que cresceu com pais separados, com duas casas, com duas famílias e com duas estruturas.

Pode parecer algo pouco grave ou importante, mas posso garantir-vos que não o é. Os pais representam a estrutura fundamental da identidade de qualquer criança. Eles não só representam a origem, a formação, a base estruturante, mas também são o refúgio, o abrigo, a segurança e a estabilidade emocional. Continuar a ler “Filhos partidos ao meio”